ansiedade

Qual a diferença entre entre a crise ansiedade e a síndrome do pânico?

Entender as principais particularidades e diferenças entre a crise de ansiedade e a síndrome do pânico são coisas que vão muito além de uma questão de compreensão de palavras. Afinal, é de saúde mental que estamos tratando.

Sendo assim, se você não tem ideia do que está passando, é muito provável que o caminho para encontrar o melhor tratamento para seu caso seja mais complicado ou demorado. Ou seja, você pode acabar perdendo tempo com técnicas e ações erradas ou equivocadas.

A seguir, vamos falar um pouco mais sobre as definições de crise de ansiedade e síndrome do pânico para ajudar você em seu processo de enfrentamento do problema. Acompanhe e saiba mais!

A crise de ansiedade e seu conceito

Antes de tudo, é importante ter em mente que o termo crise ou ataque de ansiedade é uma expressão mais popular que clínica, uma vez que é muito usado pelas vítimas da ansiedade para descrever períodos longos e intensos em que a condição ocorre.

Ainda assim, vale observar que esse quadro, embora possa ser mais forte que uma sensação ou sentimento de ansiedade, não é algo tão grave quanto a síndrome do pânico.

Assim sendo, podemos dizer que a principal diferença entre uma condição e outra é a intensidade e a quase que impossibilidade de saber quando os sintomas surgirão. 

Por exemplo, uma crise de ansiedade pode ter razões mais óbvias, visíveis e até concretas. Já a síndrome do pânico, geralmente não tem hora ou nenhum ponto causador de seu início.

A síndrome do pânico e seu conceito

Por outro lado, definir a síndrome de pânico é mais fácil, pois existe um consenso entre os especialistas sobre a sua definição.

Por exemplo, a definição oficial adotada pelo DSM é:

“A síndrome/ataque de pânico é um episódio repentino de medo intenso que desencadeia reações físicas graves quando não há perigo real ou causa aparente.”

É por isso que entre os sintomas mais comuns dessa condição encontramos sinais como:

  • tremores;
  • taquicardia;
  • sensação de que alguma desgraça vai acontecer;
  • ideia de perigo iminente;
  • medo da perda de controle ou da morte;
  • falta de ar;
  • dores no peito;
  • vertigens e desmaios, entre outros.

No entanto, vários desses sintomas também podem estar presentes em uma crise de ansiedade. O ponto mais importante é que em uma crise do pânico os sintomas duram por pouco tempo, por exemplo, 15 minutos, sendo muito intensos.

Na ansiedade, as manifestações ocorrem por um espaço de tempo muito maior, mas com sinais mais leves e menos bruscos.

Curiosamente, existem pessoas que apresentam a síndrome do pânico, mas não tem ataques recorrentes, podendo acontecer poucas vezes durante a  vida. Todavia, há casos em que são mais frequentes e tendem a surgir ante altos níveis de pressão e estresse.

Conclusão

Como foi possível observar até aqui, é muito fácil confundir uma crise de ansiedade com a síndrome do pânico. Sendo assim, não importa a situação ou intensidade dos sintomas, a melhor saída é procurar um profissional especializado em saúde mental para um diagnóstico mais detalhado sobre sua condição. No mais, lembre-se de que quanto mais cedo iniciar seu tratamento, melhor será sua qualidade de vida!

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Dr. Deyvis Rocha  | Psiquiatra | CRM-SP 127821

Desenvolvido com pelo iMedicina. Todos os direitos reservados.